Vale do Minho Digital
Vale do Minho Digital
Região
Municípios
Turismo
Cultura
Educação
Economia
Comunidades
Hotspots
Mapas Interactivos
Informações úteis
Aquamuseu
Comédias
Espaço e Identidade
Museus
Catálogo Patrimonial
Inicio » Cultura » Curiosidades
Sistemas de Condução das Ramadas

As ramadas podem ser conduzidas segundo o sistema de arjões, ramadas, bardo, cruzeta e cordão:
Arjões – entre as várias árvores plantadas nas bordaduras dos campos era usual estender fios de arame até à altura de 6 a 8 metros e deixar as videiras subir e expandir-se.
Ramadas ou latadas – estruturas horizontais de madeira ou de ferro e arame e assentes sobre esteios, geralmente de granito. Este sistema surgia muitas vezes conjugado com outras culturas, sendo o mais comum o cultivo das batatas debaixo das ramadas.
Bardo – linha de esteios com 1,5 a 2 metros de altura, espaçados de 6 a 8 metros, que sustentam 4 a 6 arames. As videiras são plantadas geralmente num compasso apertado (cerca de 1m de intervalo) e espalmadas, permitindo-se que comecem a frutificar à altura do primeiro arame.
Cruzeta – um poste vertical com 2 metros de altura ou mais e outro horizontal formam uma cruz. O poste horizontal mede entre 1,5 a 2 metros e deve situar-se entre 1,5 e 2,5 metros do solo. As extremidades dos braços das sucessivas cruzes, que devem distar entre si 5 a 8 metros, são unidas por um fio de arame. Junto de cada cruzeta plantam-se quatro videiras que acompanham, aos pares, os braços da cruz, seguindo depois cada uma o seu arame.
Cordão – linhas de esteios espaçados entre 6 e 8 metros e distantes entre si de 2,5 a 3 metros, nos quais se apoiam arames a partir de 1,2 metros de altura. Pode optar-se por cordão simples (um só arame de apoio à videira) ou por cordão sobreposto (2 arames para suportar as videiras).

 

Meteorologia

M 21 ºC m 16 ºC

Newsletter
Desenvolvimento
FAQ's
Sugestões
Ajuda
Contactos
Avisos Legais
Mapa Portal